Psicologia Clinica

1/3

O Instituto Belleform procura proporcionar aos seus clientes uma completude de saúde e bem-estar que atravessa intervenções de diferentes disciplinas. A saúde mental ou somente a “saúde da mente”, quando equilibrada, permite à pessoa uma construção de si mais plena e maximiza o valor e eficácia doutros tratamentos médicos, dentários, cirúrgicos, terapêuticos, físicos e estéticos.

 

Psicologia

 

Psicologia, «psykhé» (alma) e «lógos» (razão), é a ciência que estuda o comportamento, os processos mentais e a relação entre eles em todo o seu domínio, onde estão presentes os comportamentos observáveis (correr, andar, falar, …) assim como os não observáveis (pensar, emocionar-se, entre outros).

 

Psicólogo

 

O Psicólogo é um profissional que estuda o funcionamento psíquico do sujeito e todo o seu desenvolvimento, e mais do que ouvir poderá ajudar, através de uma relação terapêutica e sempre em conjunto com o indivíduo, a conhecer-se melhor e a ultrapassar alguns dos seus anseios e dificuldades. 

 

Quando procurar um psicólogo

 

Ao longo da nossa vida deparamo-nos com situações, acontecimentos, vivências, que muitas vezes temos dificuldade em perceber, em definir, aceitar o que realmente são. Podem ser crises, episódios de vida ou situações pontuais que provocam mal-estar e desconforto, e tentamos resolver de imediato. Como? Sozinho(a) ou pedindo ajuda àqueles que nos são mais próximos, … mas será essa a resposta que necessitamos? E se estas situações se tornarem recorrentes interferindo com as rotinas diárias? Será justo abandonarmo-nos?

NÃO. É inevitável recorrer a ajuda especializada. Procure-nos, e poderá encontrar estratégias de intervenção especializadas. Valorizamos e adaptamos a nossa intervenção a cada caso. Marque já a sua consulta. 

 

Principais Dominios de Intervenção

 

Avaliação Psicológica,

Acompanhamento Psicológico,

     Psicoterapia/ Ludoterapia

Terapia de Apoio,

Orientação Vocacional

Apoio Psicopedagógico;

Apoio familiar;

Entre outros.

 

Áreas de Intervenção

 

Autoimagem;

Dificuldades de Aprendizagem (dislexia, disgrafia, disortografia, discalculia, entre outras) e Adaptação Escolar;

Perturbações da Eliminação (enurese e encoprese);

Perturbações do Comportamento Alimentar (anorexia, bulimia,…);

Perturbações do Sono (insónia, pesadelos, terrores noturnos);
Perturbações Disruptivas do Comportamento (perturbação de hiperatividade com e sem défice de atenção; perturbações do comportamento; comportamento de oposição);

Fobias (ex. social, de animais, espaços fechados, conduzir, agulhas, dentista);

Problemas do Humor (humor depressivo, bipolar,);

Perturbações da Personalidade;

Indecisão Vocacional;

Medos excessivos;

Adaptação a situações de mudança;

Traumas e Stress Pós-Traumático;

Depressão;

Somatizações;

Memórias Perturbadoras;

Fibromialgia

Luto; 

Adaptação a doenças crónicas;

Problemas associados a doenças físicas;

Outros...

 

Intervenção Terapêutica

 

Na intervenção terapêutica primamos a adequação da melhor técnica e estratégia, a cada individuo, tendo por base uma perspetiva eclética e integradora do que é - e deve ser - a atividade clínica em Psicologia. Como técnicas complementares e integrativas de outras abordagens (cognitivo-comportamental, centrada no cliente, sistémica, psicodinâmica...), destacamos duas técnicas neuropsicologias: Brainspotting e EMDR.

 

Brainspotting - técnica desenvolvida por David Grand, Ph.D, e funciona como uma ferramenta neurobiológica utilizada no processo terapêutico a fim de tratar sintomas que não conseguem ser elaborados pela nossa consciência, promovendo uma mudança fisiológica com consequências psicológicas. O Brainspotting permite identificar desequilíbrios, de modo a que o organismo processe o desajuste e surja um estado mais adaptativo e saudável para o paciente. Para mais informações consulte http://www.brainspotting.com.br/

 

EMDR (Dessensibilização e Reprocessamento através do Movimento Ocular), terapia desenvolvida pela Dra. Francine Shapiro, na década de 80, tem sido um dos métodos psicoterapêuticos mais amplamente pesquisados nos EUA, com recomendação especial da Associação Americana de Psiquiatria. Esta técnica pode ajudar a aliviar queixas clínicas processando os componentes das memórias perturbadoras. O processamento da informação ocorre quando a memória alvejada é ligada com outra informação mais adaptável. (ex. em vez de: A culpa foi minha!, a pessoa pensa: Fiz o melhor que pude!) Para mais informações consulte http://www.emdrportugal.com/pt/

 

Ainda na vertente da Neuropsicologia realçamos o domínio das neurociências e neurocognição e as repercussões ou manifestações de índole cognitiva e comportamental, na inter-relação com a(s) área(s)  encefálica(s) afetada(s).

A intervenção tem em conta o desempenho e as funções cognitivas, realçando-se a linguagem, a atenção, as funções executivas e a memória.

Os quadros clínicos mais comuns desta disciplina podem enunciar-se: Demências (ou Estados Demenciais, tais como o Alzheimer e o Défice Cognitivo Ligeiro); Epilepsia; Traumatismos Crânio-Encefálicos; Acidentes Vasculares Cerebrais; Esclerose Múltipla; Abaixamento de Capacidades Cognitivas e Intelectuais, entre outros.

Procure esta consulta quando identificar algumas das seguintes dificuldades: irritabilidade; impulsividade; reconhecer pessoas importantes; perceção; memória; incapacidade de completar tarefas ou decidir; desorientação; planeamento; desconcentração; entre outros.

As primeiras consultas nesta vertente da Psicologia destinam-se a avaliar o grau de disfuncionalidade dos sintomas do paciente, a interferência no dia-a-dia, permitindo equacionar o(s) possível(is) diagnóstico(s) associado(s). Depois, avalia-se a pertinência do seguimento, sendo que se segue toda a vertente terapêutica, específica às dificuldades e ao paciente.